Album de Fotos Polícia

Terca-feira, 22 de abril de 2014 ás 00:44:00

Greve da PM em Natal

Depois de uma semana de acampamento em frente à sede do governo do Rio Grande do Norte e um dia de paralisação, os policiais militares e bombeiros decidiram suspender a movimentação dando um crédito de confiança aos líderes do movimento para negociar com o governo do Estado os 11 pontos da pauta de reivindicações em uma reunião marcada para 5 de maio. Segundo a categoria, depois dessa reunião, caso o governo não apresente propostas concretas, uma nova paralisação poderá ser iniciada no dia 7 de maio.

A assembleia que decidiu o retorno ao trabalho dos grevistas nesta terça-feira, 22, foi realizada no acampamento montado em frente à Governadoria, no Centro Administrativo, em Natal, com a presença de cerca de 2.500 soldados e oficiais, segundo levantamento da Associação dos Cabos e Soldados da PM.

Segundo a Associação dos Cabos e Soldados, 12 batalhões aderiram a paralisação durante a manhã desta terça-feira em Natal, enquanto o comandante Geral da PM, Francisco Canindé de Araújo Silva, informou que não havia levantamento geral da adesão.

O Comando do Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (CIOSP) informou que os serviços transcorreram normalmente com o efetivo que não aderiu à paralisação.

De acordo com a Associação dos Cabos e Soldados, na capital, a adesão à greve chegou a 90%, enquanto nas cidades do interior este percentual ficou em 50%.

Os representantes dos grevistas no inicio da tarde desta terça-feira tiveram uma reunião com uma comissão do governo do Estado, lidera pelo secretário Estadual de Segurança Pública, Eliéser Girão, que garantiu às lideranças dos PMs o envio do projeto de lei da Promoção dos Praças para a Assembleia Legislativa até o dia 30 de abril.

O Projeto de Lei é um dos principais pontos de reivindicações dos PM, juntamente com um reajuste salarial de 56,7% para os soldados, que passariam dos atuais R$ 2.300,00 de soldo para R$ 3.600,00.

Com relação ao projeto, o secretário de Segurança explicou que o mesmo está em análise na Casa Civil e deve ser encaminhado para a Consultoria Geral do Estado, para depois seguir para a Assembleia Legislativa.

Os lideres dos PMs durante a condução da assembleia dos grevistas tiveram um discurso conciliador no sentido de negociar os pontos das propostas com o governo.

A pauta de reivindicações dos PMs e bombeiros incluiu ainda o fornecimento de material adequado de trabalho, aumento do valor da diária operacional, pagamento dos níveis de subsídio e das férias, pagamento de remuneração pelas promoções, implantação de auxílio alimentação, bem como a convocação de  824 candidatos aprovados no último concurso da PM.

A paralisação desta terça-feira foi tomada desde a semana passada para forçar o governo do Estado a enviar para a Assembleia Legislativa a Lei de Promoção dos Praças.

Na parte da manhã, os grevistas chegaram a exibir faixas em inglês para dizer que se não houver promoção dos praças, não haverá efetivo para trabalhar durante a Copa do Mundo em Natal. "Without promotion law, without military police in world cup", dizia a faixa exibida pelos policiais grevistas nas tendas armadas em frente à Governadoria.

O procurador Geral do Estado, Miguel Josino, no período da manhã, disse que os policiais que aderissem à greve poderiam ser presos, mas na negociação do secretário de Segurança com as lideranças do movimento, o governo do Estado prometeu não punir nem grevistas nem os líderes da paralisação.

O procurador-geral do Estado, Miguel Josino, que também participou da reunião com os presidentes das associações de PMs e Bombeiros, disse que o governo apresentou um cronograma para cumprimento das principais reivindicações dos militares.

"Apresentamos tudo aquilo que o secretário havia anunciado. A Lei de Promoções de Praças irá para Assembleia Legislativa até 1º de maio. Faremos o pagamento imediato das férias e montaremos uma comissão para dar andamento aos processos que tratam da promoção de policiais", afirmou Josino, acrescentando que o "o diálogo prevaleceu".

Com 27 anos de PM, o soldado Josineto da Cunha, pai de 2 filhos, espera que a lei de Promoção dos Praças seja aprovado. Segundo ele, depois desses anos todos, o seu salário na PM é de R$ 2.200,00 e mais algumas gratificações, totalizando R$ 2.900,00.

A PM tem no Estado todo 9.050 policiais, um número que mostra que o seu efetivo encolheu 10% nos últimos três anos, enquanto a população cresceu 6% no mesmo período. De 2010 para cá, o efetivo da PM perdeu 1000 homens resultado de punições e pedidos para sair.

Corporação tem ainda 2 mil servidores cedidos para outras repartições pública ou en cargos burocráticos nos quartéis.

  • /sistema/app/content/img/fotos/23042014004735d7811558c1af8cdb4c7ae54795389cfa.jpg
  • /sistema/app/content/img/fotos/23042014004735df533afedfb1ce58d4184ac9ecb5cbcf.jpg
  • /sistema/app/content/img/fotos/23042014004735c117836cd4a39b0378f92255e6acfa4d.jpg
  • /sistema/app/content/img/fotos/23042014004735736057f842c3d079b90494d9360ae065.jpg
  • /sistema/app/content/img/fotos/23042014004735df89372361140e951fb84b46623c0269.jpg
  • /sistema/app/content/img/fotos/23042014004736f436fe35a23093248e0e832693d04f3c.jpg
  • /sistema/app/content/img/fotos/2304201400473658765b0a2752bc0709da199176295bf6.jpg
  • /sistema/app/content/img/fotos/230420140047365faa895aab42852320d09cc79c890657.jpg
  • /sistema/app/content/img/fotos/2304201400473638df3b054d76d518e393db54d0d354c4.jpg
  • /sistema/app/content/img/fotos/23042014004737473ff15ec3ea232162a23ff2808c5a64.jpg

Acontece

Cruzamento sem sinalização causa acidente e prejuízos para professora

O acidente aconteceu em fevereiro e até agosto a STTU não sinalizou o cruzamento

Passeio de buggy é o mais procurado pelos turistas que visitam Natal

Para os turistas que chegam a Natal sempre fica aquela dúvida de quais passeios a fazer, já que as opções...

Professora que acusa dentista de estupro espera que Justiça o condene

Há três anos, no dia 28 de abril de 2014, a professora de inglês Kariene Karla Soares, então 22...