Notícias Geral

Sábado, 29 de junho de 2013 às 00:56:00

Manifestação pacífica de sexta-feira acaba ainda com cerca de 30 prisões

Imagem da notícia

Depois de três horas de manifestações pacificas por várias ruas e avenidas da região central de Natal, com cerca de 15 mil pessoas participando, de acordo com a PM, um grupo de vândalos tentou depredar a lanchonete da McDonald`s, no cruzamento das avenidas Prudentes de Morais com Alexandrino de Alencar, por volta das 19 horas.

Estudantes protestam cantando Boi da Cara Preta- clique aqui para assistir o vídeo

Manifestantes caminham ao som da música de Geraldo Vandré - Pra não dizer que não falei das Flores - clique aqui para assistir

Em vários trechos do protesto de sexta, os manifestantes ouviram e cantaram o Hino Nacional - clique aqui para assistir

Depois, alguns manifestantes tentaram colocar fogo na agência do Banco Safra na Avenida Prudente de Morais.

O major Trigueiro, da PM, disse que no geral a manifestação desta sexta-feira foi pacífica. “Dentro da própria manifestação, misturados aos manifestantes, existem pessoas de má índole, com a cara coberta, que está vindo com intuito de vandalizar e depredar prédios públicos e privados”, explicou.

Segundo ele, algumas detenções foram realizadas dessas pessoas que no transcorrer da manifestação pacífica insistem jogar pedras e paus na força policial e nos estabelecimentos comerciais.

“A PM vem fazendo este trabalho de separar as pessoas que estão com o rosto coberto e praticando atos de vandalismo dos manifestantes que estão de forma pacífica reivindicando seus direitos”, disse o major.

A manifestação desta sexta-feira, a segunda realizada que atraiu muita gente (a primeira foi no dia 20 de junho, quando cerca de 50 mil pessoas participaram do protesto), foi marcada pela “salada de temas para protesto”, como a falta de insulina para diabéticos na Unicat (Distribuidor de remédios do governo do Estado), falta de pagamento de servidores terceirizados na Semurb (prefeitura), maiores investimentos em saúde, educação, segurança, abaixo a Rede Globo, entre outros.

Segundo o comando da Polícia Militar, oito pessoas que tentaram jogar pedras contra a lanchonete foram detidas e encaminhadas para a delegacia de Plantão do bairro da Candelária.

Os manifestantes começaram a se concentrar na Praça Cívica no bairro de Petrópolis, depois das 13 horas. Primeiro chegaram os estudantes e manifestantes representando vários segmentos da sociedade.

A Praça Cívica recebeu todo tipo de manifestantes, como grupos representando partidos políticos, movimentos sociais, como os do sem terra (MST), os do sem casa (MLB – Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas), além do Movimento Revolucionário Socialista (MRS) e os movimentos que defenderam a redução da tarifa de ônibus e agora lutam pelo passe livre para os estudantes (Revoltadobusão, Passelivre Natal, Vemprarua, entre outros).

A caminhada dos manifestantes percorreu várias ruas da região central, indo primeiro para a Câmara de Vereadores, segundo depois para a Ribeira, passando pela Semurb (secretaria de Mobilidade Urbana) e depois indo para a prefeitura de Natal, onde policiais militares e a guarda municipal se posicionaram em frente à porta principal do prédio. Os manifestante ficaram algum tempo na praça 7 de Setembro e na frente da prefeitura, onde alguns integrantes de movimentos sociais soltaram alguns rojões e até uma pequena bomba caseira. Alguns manifestantes se assustaram com as bombas.

Formados por homens, mulheres e crianças, um grupo de moradores do Planalto e Felipe Camarão, integrantes do MLB, dispersou ali mesmo.

Após cantar o hino nacional em frente à Prefeitura, a maioria dos manifestantes que compõe o núcleo pacifista dos protestos em Natal resolveu dar por encerrado a caminhada, mas outro grupo formado pelo MRS e estudantes de vários movimentos resolveu seguir para a Governadoria, sedo do governo do Estado.

No trajeto de cerca de 5 km até a governadoria, na Avenida Prudente de Morais, além da lanchonete da Mc Donald´s, um pequeno grupo tentou depredar uma loja de carro e jogou pedra nos PMs que acompanharam o protesto em pontos estratégicos.

Segundo a PM, cerca de 30 pessoas foram retiradas do meio dos manifestantes porque estava jogando pedras em policiais e em estabelecimentos comerciais situados no trajeto do protesto.

Entre os presos está o filho adolescente do vereador Marcos Antônio, do PSOL. Ele foi detido antes de chegar a concentração do protesto, no meio da tarde. O major Rodrigues, da PM, explicou que o filho do vereador foi detido porque carregava consigo quatro camisetas diferentes, um estilingue, bola d gude, rojõe, óculos e luvas, além de vinagre, que supostamente serve para limpar os olhos diante do gás lacrimogêneo.  

Algumas prisões aconteceram nas imediações do cruzamento das avenidas Prudente de Morais com a Bernardo Vieira, após a PM identificar alguns rapazes que jogaram pedras em estabelecimentos comerciais e nos policiais.

Um grupo de manifestantes após as prisões naquele cruzamento se dirigiu para a Avenida Salgado Filho e seguiu em direção a Governadoria. Chegando à Assembleia de Deus, já próximo do viaduto do 4º. Centenário, mais pedras foram jogadas no tempo, quebrando algumas vidraças.

Depois, já bastante reduzido, o grupo de cerca de 250 pessoas entrou na BR-101 pela via marginal do lado esquerdo no sentido Centro-Parnamirim. Chegando em frente à entrada da Governadoria, por volta das 20h30min, os liderem decidiram terminar o protesto ali, mas marcaram para esta segunda-feira uma plenária para decidir sobre novos protestos na capital potiguar. A BR-101 chegou a ficar interditada por cerca de 30 minutos.

Visite a galeria de fotos

Deixe o seu comentário

Enviar por e-mail

Acontece

Cruzamento sem sinalização causa acidente e prejuízos para professora

O acidente aconteceu em fevereiro e até agosto a STTU não sinalizou o cruzamento

Passeio de buggy é o mais procurado pelos turistas que visitam Natal

Para os turistas que chegam a Natal sempre fica aquela dúvida de quais passeios a fazer, já que as opções...

Professora que acusa dentista de estupro espera que Justiça o condene

Há três anos, no dia 28 de abril de 2014, a professora de inglês Kariene Karla Soares, então 22...